Visite o Parque Dois Irmãos

Na Zona Norte do Recife, o bairro de Dois Irmãos é verde por excelência. Vizinho ao mais freyrianos dos bairros, Apipucos, ele mistura fauna e flora como nenhuma outra região da capital pernambucana. O Parque Estadual Dois Irmãos, em seus 384 hectares, destina 14 deles às 122 espécies de animais do único zoológico da cidade. Os outros 370? Uma imensidão de Mata Atlântica.

Originalmente, a área se chamava Horto de Dois Irmãos. Em 1939, passou a funcionar como Horto Zoobotânico. E foi elevado à categoria de Parque Estadual, categoria de unidade de conservação de área florestal, no fim dos anos 1990, quando passou a ser representado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco, e atualmente pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco.

No formato atual, o Parque é considerado uma Gerência Executiva, mas está em tramitação o processo para torná-lo uma Organização Social. O que, na prática, vai conceder mais autonomia ao órgão. Atrelado a essa mudança, vem a iniciativa de transformar o local em um Bioparque, com, por exemplo, vidros no lugar de grades nos recintos dos animais e áreas de convivência para bichos de espécies distintas.

Vídeo

Aperte o play e conheça o Zoológico de Dois Irmãos em um minuto!

Link para o vídeo

Passeio Virtual

Um tour em 360° pelas instalações do Parque Estadual Dois Irmãos

Link para o Passeio Virtual
Foto do Açude do Prata

A Lenda do Açude do Prata

Reza a lenda, e afirma a crendice popular, que Branca Dias, um judia portuguesa que chegou ao Brasil no século XVII, foi, indiretamente, a responsável por batizar o açude que sacia a área florestal do Parque Dois Irmãos, no entorno do zoológico. Explicamos: uma vez no Recife, Branca Dias tornou-se proprietária de terras na região, mas, perseguida pela Inquisição, não conseguiu escapar da fogueira. Antes de se entregar, teria jogado no açude toda a sua riqueza, em forma de pratarias e mais pratarias, para que a Igreja não ficasse com uma bandeja de prata sequer. As águas do manancial, preenchidas por tantos tesouros, se viu reluzente. Desde então, passou a ser chamada de Açude do Prata. O quê fantasmagórico acrescenta que, em noite de lua cheia, o espírito de Branca Dias aparece no local. Acredite, se quiser.

Montagem de fotos dos animais do Parque

690 Animais

O passeio pelo zoológico é dividido por setores: de pequenos mamíferos, de primatas, de felinos. Animais de pequeno porte e animais de grande porte necessitam de recintos específicos para sua locomoção e alimentação, por isso as divisões. As crianças, público em potencial do Parque, elegem as cores das araras brasileiras, a interatividade dos macacos e a majestade do leão como favoritos. O animal mais antigo, mais de cinquenta anos em Dois Irmãos, é o chimpanzé. Selvagem por natureza, poucos tratadores e veterinários entram na jaula do primata. Símbolo do Parque, o macaco-prego-galego é uma espécie genuinamente nordestina. Por conta dos pelos claros, é alvo fácil de caçadores. No zoológico, é atração disputada. Ursos, avestruzes, cobras e tigres também integram a lista dos 690 animais do Parque.

Foto da Colônia de Férias do Parque Dois Irmãos

Colônia de Férias e Trilhas

Nos meses de janeiro e julho, o Parque Dois Irmãos oferece uma alternativa de lazer educativo para as crianças de seis a 12 anos: o Zoo Férias. Normalmente, as atividades duram uma semana, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h. A exceção fica por conta da sexta, quando o encontro se dá das 17h30 às 20h30, por conta do passeio para conferir os animais de hábitos noturnos. Além disso, oficinas e brincadeiras preenchem a programação infantil. A taxa para participar tem média de R$ 120. Em relação às trilhas para todas as idades, elas acontecem de terça a sexta nos turnos da manhã e tarde, e sábado, somente no turno da manhã. Os aventureiros, em um grupo mínimo de dez pessoas, pagam os R$ 2 do ingresso mais uma taxa de R$ 5 e são acompanhados por um guia pelo trajeto. O passeio só fica suspenso em época de chuva.

Foto da área de alimentação do Parque

Alimentação e Lazer

Destino certo para quem deseja estender a toalha quadriculada no chão e fazer um piquenique no fim de semana, o Parque Dois Irmãos possui área verde suficiente como cenário. Quem não quiser levar comida de casa, encontra opções de lanchonete em uma espécie de praça de alimentação. São seis quiosques e um restaurante alugados a concessionários. Ao lado da praça, está o Zôo Lazer, um parquinho com casinha, escorregador e balanço para as crianças que querem brincar ao término da visitação. Na margem do Açude de Dois Irmãos, há outra concentração de brinquedos para lazer.

Foto do pau-brasil, situado entre o Açude de Dois Irmãos e o Açude de Dentro

Entre Dois Açudes, Getúlio Vargas

Margeando os quase 700 metros da principal via de circulação do Parque, o Açude de Dois Irmãos tem a companhia de outro açude no terreno de 14 hectares. Artificial, o Açude de Dentro está situado no meio do zoológico, tomado pela flora e pela fauna que ali se desenvolveu. Os pedalinhos de outrora, no entanto, já não funcionam mais. A ideia é dissociar a imagem do zoológico de um parque de diversão. O foco são os animais. Entre um açude e outro, um pau-brasil especial figura nas instalações do Parque Dois Irmãos. A árvore, símbolo de nossa brasilidade, foi plantada no mês de setembro do ano de 1933. Por quem? O Exmo. Sr. Presidente Getúlio Dornelas Vargas.

Foto do busto de João Vasconcelos Sobrinho

Centro Vasconcelos Sobrinho de Educação Ambiental

O centro de educação ambiental do zoológico leva o nome de João Vasconcelos Sobrinho, importante ecólogo defensor do Parque Dois Irmãos. No local, eventos voltados às áreas de ciências biológicas, veterinária e zootecnia, além de festividades em consonância com o calendário pedagógico, como a Semana do Índio e o Dia da Criança. O CEA é também um guarda-chuva do Museu de Ciências Naturais, que possui animais taxidermizados e ornamentação da flora encontrada na Mata Atlântica. Para entrar em contato: (81) 3183-5543.

ENDEREÇO

Praça Farias Neves, s/n, Dois Irmãos
Fone: (81) 3183-5539
www.parquedoisirmaos.pe.gov.br
facebook.com/ParqueZooDoisIrmaos

Visualizar Parque Dois Irmãos em um mapa maior

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

De terça-feira a domingo, das 8h às 16h

INGRESSOS

R$ 2 (crianças com até um metro, idosos acima de 60 anos e portadores de deficiência com acompanhante não pagam)

Foto

Entrada do Parque Dois Irmãos. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Busto do ecólogo João Vasconcelos Sobrinho. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

A placa que legitima o plantio do pau-brasil, pelo então presidente Getúlio Vargas. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O Açude do Prata é um manancial na área do Horto de Dois Irmãos. Foto: Marcelo Soares/Esp DP/D. A Press

Foto

O Açude de Dentro fica localizado no centro do zoológico. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Detalhe da vegetação do Açude de Dentro. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Muito verde no entorno do Açude de Dentro. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O Zôo Lazer é um espaço destinado às crianças. Além dele, há outras áreas de convivência no zoológico. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Área de alimentação e placa informativa no Parque Estadual. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

A dupla de araras bolivianas. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O avestruz chama a atenção por seu biotipo peculiar. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

A harpia é um dos destaques do setor das aves. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

A harpia, em dois momentos, posando para a foto. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

As asas verdes do pássaro Anaca. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O amarelinho pássaro Arajuba. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

A dupla de pelicanos do zoológico. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O macaco-prego-galego é o símbolo do Parque Dois Irmãos. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O macaco-prego-galego é uma das atrações mais disputadas do zoológico. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O macaco-aranha-de-cara-vermelha é um dos destaques do setor dos macacos. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O macaco-grivê tem um visual grisalho. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O chimpanzé é o animal mais antigo do zoológico. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O hipopótamo entretido na própria alimentação. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

O leão é o animal que possui o maior recinto disponível. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Toda a pose do Rei Leão. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Cara a cara com o tigre siberiano. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Cada recinto possui uma placa informativa sobre o animal em questão. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Depois de posar para a foto, o tigre siberiano ignora nossa presença. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Os ursos lembram o famoso Zé Colmeia. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Foto

Diante do público, a cobra albina está sempre presa. Só saiu do recinto para posar para nossas lentes. Foto: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Press

Expediente
Edição: Carolina Monteiro | Coordenação de fotografia: Inês Campelo
Texto e produção: Guilherme Carréra
Fotografia: Bruna Monteiro/Esp. DP/D.A Presss, Marcelo Soares/Esp. DP/D.A Press e Parque Estadual Dois Irmãos/Divulgação
Fotografia em 360º: Cristiane Silva e Soraya Silva/Esp. DP/D.A Press
Design e desenvolvimento: Taís Nascimento